CONJUNTO CORONA

1 AGO. PALCO II - 23h15

A história de Corona escreve-se através de letras perspicazes e refrões orelhudos. Com a proposta original de recriar um tripeiro em toda a sua essência, cada álbum está imbuído da sua própria narrativa e estética, acrescentado novos capítulos e desbloqueando novos mapas mentais à sua epopeia.

Se até agora tem sido “jarda, moche e hidromel”, no seu último álbum, “ESTILVS MISTICVS”, a conversa passa para “morte, bruxedo e jarda”. Mas nada a temer, o momento da redenção aguarda-nos a todos em palco.